« Home | Joy in the Journey » | What Difference Does Easter Make? » | The Judas We Never Knew » | Convite de Jesus » | Jesus à porta » | I Love Hospital Visitation » | Todo olho o verá: atitudes históricas quanto ao re... » | Poesia oferecida ao Rev. Eudoxio Santos » | BLOG SOBRE CAPELANIA HOSPITALAR » | O Carnaval » 

sábado, abril 29, 2006 

Beneficência

Beneficência

A nossa sociedade possui muita pobreza, miséria, carências físicas que afligem uma enorme parte de nosso povo. Nosso propósito não é considerar a mensagem espiritual, da qual os descrentes necessitam. Estamos partindo do entendimento de que, concordamos que a questão da mensagem do evangelho é sempre prioritária e nunca pode ser suprida apenas pelo alívio das necessidades temporais. Queremos, entretanto, examinar o que a Bíblia tem a nos dizer sobre beneficência e, principalmente, examinar nossas responsabilidades pessoais para com os necessitados.

A realidade Incontestável da Existência da Pobreza.

O próprio Jesus afirmou esta realidade em Mateus 26:11, quando ele disse: “..os pobres; sempre os tendes convosco”. Infelizmente alguns evangélicos têm utilizado esta expressão como se ela representasse uma visão imutável da questão social, pela qual eles não possuem responsabilidades, ou seja: “é inevitável, nada há a fazer!”

Examinando toda a Palavra de Deus, vemos que Jesus registra, aqui, uma constatação dos efeitos do pecado e não uma prescrição para a estrutura da sociedade. Na própria passagem paralela a Mateus 26:11, Marcos 14:7, existe o complemento da afirmação de Jesus: “...podereis fazer-lhes bem...”, numa indicação de nossas responsabilidades pessoais para com os pobres. Verificamos, também, que a estrutura prescrita para uma sociedade justa, afluente e temente a Deus, como a projetada para os Israelistas na terra prometida, não teria pobres. Lemos isso em Deuteronômio 15:4-5 “Para que entre ti não haja pobre; pois o Senhor teu Deus, te abençoará abundantemente na terra que te dá por herança, para possuíres, se apenas ouvires, atentamente, a voz do Senhor, teu Deus, para cuidares em cumprir todos estes mandamentos que hoje te ordeno.” A eliminação da pobreza viria como consequência do cumprimento dos mandamentos ordenados por Deus, que representavam bênçãos tanto para os que possuíam bens e propriedades, como para os que necessitavam de alguma ajuda na vida.

Os cuidados de Deus para com os Pobres e Oprimidos.

Muito podemos aprender com os princípios registrados na Lei Civil de Israel, sobre os necessitados. Apesar desta Lei Civil encontrar a sua aplicabilidade e preenchimento naquela época e nação, reflete princípios da eterna Lei Moral de Deus, ensinando pontos práticos que devem merecer toda nossa atenção.

As instruções ministradas por Deus ao seu Povo revelam um cuidado todo especial com os Orfãos, Viúvas e Estrangeiros (Exodo 22:22-24 e Deuteronômio 27:19). Estes constituíam a categoria de pessoas que menos proteção possuíam, pois não tinham os parentes mais próximos juntos de si. Eram os que mais possibilidade teriam de entrar em uma situação de carência e pobreza. Consequentemente, deveriam ser alvo de especial proteção contra a opressão física ou econômica. Aprendemos que possuímos uma responsabilidade toda especial para com esses, reafirmada no Novo Testamento:

Mateus 23:14 - Os fariseus são condenados por explorarem as viúvas.
Atos 6:1 - As viúvas dos Hebreus estavam sendo protegidas mas as dos
gentios estavam sendo desprezadas. Diáconos foram instituidos.
1 Timóteo 5:3-4 - As viúvas realmente desamparadas, devem ser
amparadas. As que possuem família, devem ser cuidadas pela família.
Tiago 1:27 - A prática da religião verdadeira é identificada com o coração
que se preocupa e age no alívio da necessidade do órfão e da viúva.


Aprendemos, também, que temos uma obrigação primária para com os nossos familiares. Não podemos desprezá-los ou deixá-los carentes. Não podemos colocar a obrigação do cuidado deles nas mãos de outros, esquecendo-nos de nossas responsabilidades.


Os pobres, especificamente, são alvo de uma forma de assistência social no Velho Testamento. Lemos isso em Deut. 24:16-22 e Levítico 23:22, onde o povo de Israel é instruido a deixar, na colheita, porções do campo que estava sendo ceifado, com espigas e grãos nos pés, para que os pobres e estrangeiros pudessem recolher essas sobras. Verifique a sabedoria da prescrição, pois ela preserva a dignidade dos ajudados, fazendo com que eles também trabalhassem para fazer face às suas necessidades.

Nossas Responsabilidades Pessoais:

(1) Trabalhar - A primeira responsabilidade pessoal para confrontarmos o Desafio Social dos nossos dias, além do cuidado com os parentes, verificado no ponto 3, é a de trabalharmos! Pode parecer estranho que este ponto seja trazido no contexto de discussão de assistência à pobreza, mas é isso mesmo! A própria palavra de Deus estabelece o relacionamento. Ela não encoraja o desmedido assistencialismo social ao que podendo trabalhar, não o faz. Lemos isso em 2 Tessalonicenses 3:10 - “Se alguém não quer trabalhar, também não coma!” Assim, a forma mais eficaz de arraigar a pobreza é trabalharmos e providenciarmos trabalho da forma mais ampla possível. Existe uma outra relação, entre o trabalho e o Desafio Social, que é traçada em Efésios 4:28 -- “Aquele que furtava, não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que tenha com que acudir ao necessitado.” Verifique a progressão do pensamento: Furtar é errado-> Procure trabalhar -> com que propósito? Para que tenha com que ajudar ao necessitado! Será que estamos pensando assim, que um dos propósitos essencias do nosso trabalho é termos meios para que possamos ajudar outros?

(2) Fazer o Bem a Todos - Gálatas 6:10 nos ensina que devemos fazer o bem a todos, mas amplia aquelas responsabilidades já vistas para com os nossos familiares, pois qualifica: “principalmente aos domésticos da fé.” Isto significa que de forma alguma podemos permitir a existência de necessitados dentro de nossa igreja. E não vamos apenas “descansar” nos diáconos, mas, sim, vamos ajudá-los em suas atividades. Em Mateus 25:34-40 Jesus equaciona a ajuda aos necessitados, “seus pequeninos irmãos” como sendo algo que é feito a ele pessoalmente.

(3) Mostrar frutos, pelas boas obras - Não somos salvos pelas obras, mas fomos criados para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas (Efésios 2:10). Tito 3:14 nos ensina, também, que devemos mostrar distinção nas boas obras, a favor dos necessitados, para que não venhamos a nos tornar infrutíferos.

(4) Repartir, segundo a prosperidade concedida por Deus - 1 Timóteo 6:17, 18 fala “aos ricos do presente século,” para que sejam, na verdade “ricos de boas obras - generosos em dar, prontos a repartir.” O versículo 19 leva os seus pensamentos a se apoderarem “da verdadeira vida.”

Os Reflexos de Nossas Ações ou da Falta Dessas, aos Olhos de Deus.

Deus espera que tenhamos a predisposição de enfrentar o Desafio Social, com ações positivas de atendimento aos pobres. Assim ele nos comanda e em Provérbios 21:13 vemos que a própria ação de Deus para conosco, no alívio de nossas necessidades, será um reflexo de nossa ação para com os necessitados que ele colocar em nossos caminhos: “ O que tapa o ouvido ao clamor do pobre também clamará e não será ouvido.” Essa é uma declaração muito séria e que mostra a importância de nossas responsabilidades.

Um grande fato histórico - A destruição de Sodoma - mostra a importância do atendimento às necessidades dos pobres. Estamos acostumados a pensar que aquela cidade foi arrasada apenas pela imoralidade na qual vivia. Outro trecho da Palavra de Deus, entretanto, nos mostra que os problemas sociais existiam em igual intensidade à dissolução moral. Na realidade, em Ezequiel 16:49, 50 aprendemos que a raiz da impiedade de Sodoma foi a prosperidade, o ócio desregrado e a ausência de conscientização para com as necessidades dos pobres. O resultado dessa situacão foi a imoralidade de costumes que provocou a sua destruição. Percebem o paralelo com os dias em que vivemos?

Uma lição importante, na prática da Beneficência.

Muitas vezes, encontramos desculpas para nossa falta de ação dizendo: “não tenho jeito para isso!” Ou podemos declarar: “isso é responsabilidade da Junta Diaconal!” Em outras ocasiões, procuramos descarregar nas costas do Governo: “É uma vergonha que o governo não faça nada sobre isso.” Ocorre que os mandamentos que recebemos de Deus são bastante pessoais e não institucionais. Antes de sairmos à procura da instituição que deveria estar envolvida nesta ou naquela ação, devemos procurar olhar internamente, em nossas vidas, se não estamos sendo negligentes nas responsabilidades que temos perante os pobres e necessitados.
Além disso, beneficência não é algo que vem naturalmente, sem esforço, para todos. Não é uma atitude ou predisposição que, ou está em nós, ou não está em nós. A Bíblia nos comanda e nos ensina que devemos aprender a praticá-la. Assim lemos em Isaías 1:17: “Aprendei a fazer o bem; atendei à justiça, repreendei o opressor; defendei o direito do órfão, pleiteai a causa das viúvas.” Beneficência, então, se aprende e, é isso mesmo que já vimos em Tito 3:14: “...quanto aos nossos, que aprendam...”

O Poder de Restauração Social do Evangelho.

Por último, não podemos nos esquecer nunca de que, o poder restaurador do Evangelho atinge todas as esferas da vida, inclusive a social. Em todas as partes do mundo, onde o evangelho foi claramente pregado e os resultados ceifados, existiram transformações sociais profundas: o apreço à alfabetização, maior respeito à família, leis trabalhistas mais justas, maiores oportunidades de educação a todos, maior possibilidade de progresso social, menores índices de pobreza. A Inglaterra experimentou grandes transformações sociais, nos reavivamentos do século 18. A herança da pregação e prática dos Puritanos, do século 17, nos Estados Unidos, gerou grande prosperidade e justiça social. Com certeza, poderíamos testemunhar de muitos exemplos, onde a vida de uma família e de gerações inteiras foram socialmente transformadas (não apenas espiritualmente) pela entrada do Evangelho no lar. Assim nos ensina também o Salmo 37, especialmente em seu versículo 25: “Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão.” Não devemos nos esquecer de nossas responsabilidades individuais para com os necessitados, mas lembremo-nos que Deus protege os seus. Ele promete que se buscarmos em primeiro lugar o seu Reino e a sua justiça, todas as demais coisas nos serão acrescentadas.

Solano Portela, Presbítero da Igreja Presbiteriana do Brasil, membro da Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, em São Paulo, graduado em Ciências Exatas, fez o mestrado no Biblical Theological Seminary (EUA, 1974).

Links to this post

Criar um link